Com redução de juros, momento é ideal para comprar imóveis, avaliam analistas.
Voltar para o blog

Com redução de juros, momento é ideal para comprar imóveis, avaliam analistas.

Competição entre bancos causou queda nas taxas de empréstimos imobiliários, mas quem demorar a fazer o financiamento deve ver os preços subirem.

A competição entre os bancos, que causou a redução dos juros de empréstimos imobiliários em diferentes instituições financeiras, trouxe consigo uma notícia boa e outra ruim — neste momento, o preço total do imóvel está mais baixo do que antes; o problema é que quem demorar para fazer o financiamento, verá o valor pedido por proprietários e imobiliárias aumentar.

Os juros do crédito imobiliário caíram nos principais bancos brasileiros nos últimos meses. A Caixa Econômica Federal tem taxa a partir de 6,75% ao ano, mais Taxa Referencial (TR). Já o Bradesco tem acréscimo de pelo menos 7,3% ao ano, mais TR. O Banco do Brasil cobra hoje um mínimo de 7,4% ao ano, mais TR. O Itaú Unibanco, por sua vez, passou a pedir a partir de 7,45% ao ano, mais TR. O Santander tem o índice mais alto dentre as instituições consultadas — mínimo de 7,99% ao ano, mais TR. Todos os bancos reduziram suas taxas nos últimos meses.

A diminuição dos juros faz com que o consumidor precise gastar menos dinheiro até quitar o financiamento. Esse barateamento, porém, deve gerar um revés: causará o aumento da procura pela casa própria, o que, por consequência, tende a encarecê-la.

— Este é o momento ideal para comprar, enquanto os valores ainda estão acessíveis. O aumento do preço dos imóveis fatalmente acontecerá, porque mais gente irá comprar imóveis. É a lei da oferta e da procura — avalia Gilberto Duarte de Abreu Filho, presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

A projeção de Abreu Filho é de que a queda de cerca de 25% nos valores da casa própria nas cidades brasileiras desde 2014, devido à crise e à consequente baixa procura por financiamentos, deve ser recuperada nos próximos dois anos, diante do aumento da procura. Um indicativo de que os imóveis devem ficar mais caros é a valorização dos fundos imobiliários nos últimos anos, segundo o presidente da Abecip.

O pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Eduardo Zylberstajn, concorda que os bens imobiliários ficarão mais caros em breve, mas não projeta qual o tamanho da inversão dessa curva.

— O mercado é cíclico. Passamos por uma crise severa que afetou o mercado imobiliário e vimos retração até tímida nos preços, para a crise que vivemos. O mercado sofreu muito: as incorporadoras passaram a lançar cada vez menos, a venda no mercado de usados demorou mais para acontecer. Agora vemos um movimento contrário, com o mercado voltando, lançamentos sendo retomados. Ainda não é possível precisar quanto deve encarecer, mas é natural os preços reagirem dessa forma.

Nas condições atuais, para Abreu Filho, a redução dos juros já chegou ao seu limite. Se mudanças forem feitas pelo poder público, porém, a queda pode ser ainda maior.

— Se houver mais reformas, em áreas como a máquina pública, de controle de gastos, nos Estados, pode haver uma redução maior. Com o cenário atual, a tendência é estabilizar.

Especialistas recomendam cautela

Zylberstajn considera que, para quem já pesquisou bastante e amadureceu a ideia de adquirir um bem imobiliário, este é o momento certo para fazer o financiamento. Entretanto, alerta que uma decisão como esta precisa ser muito bem pensada.

— A decisão de compra de um imóvel envolve um financiamento longo, que vai durar, às vezes, décadas. Correr para evitar um aumento de 5% a 10% pode acabar fazendo a pessoa comprar um imóvel que não atende as necessidades dos seus anos seguintes, como se mudar, se casar ou ter filhos, e precisar vender logo. Isso gera custos com reforma, corretagem, impostos — relata o pesquisador.

Para evitar prejuízos, a recomendação de Zylberstajn é somente uma: cautela. Essa prevenção também se dá a partir de uma pesquisa aprofundada sobre o que cada banco oferece para cada consumidor, incluindo também as instituições das quais o interessado não é correntista.

— O cliente sempre tem que pesquisar, porque faz parte da composição de preço não só a taxa de juros, mas a tarifa e o preço do seguro. Cada cliente terá um preço personalizado, então é possível que um banco no qual o indivíduo é correntista ofereça taxas superiores às de outros bancos. Se ele pesquisar, ele vai fazer uma boa economia — garante Abreu Filho.

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/economia/dicas-de-economia/noticia/2019/11/com-reducao-de-juros-momento-e-ideal-para-comprar-imoveis-avaliam-analistas-ck2kyn2980cs901r2hjiblltk.html



Outros posts

  1. 12 coisas para fazer em casa no inverno, para curtir o seu lar!!

    12 coisas para fazer em casa no inverno, para curtir o seu lar!!

    Aproveite as temperaturas mais baixas para tirar os cobertores do armário e preparar aquela receita deliciosa de fondue. O inverno começa oficialmente só no dia 21 de junho, mas os dias frios já come...

  2. Cozinhas pequenas e decorações gigantes

    Cozinhas pequenas e decorações gigantes

    Não é necessário ter um espaço enorme para fazer uma composição amigável e bonita aos olhos Ta aí: decoração de cozinhas. Um assunto bem legal de falar, ainda mais para as pessoas que são ver...

  3. 5 perguntas e 5 respostas sobre móveis coloridos no decor

    5 perguntas e 5 respostas sobre móveis coloridos no decor

    Existem inúmeras maneiras de decorar uma casa. Se o tempo e o orçamento permitir, é possível quebrar paredes, pintar um cômodo todo e investir em acessórios. Agora, se você planeja personalizar a casa...

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência.

Exatus Imóveis

Geral
(55) 99905-9011
Geral
(55) 3333-7853
Aluguel
(55) 99704-0034

Exatus Imóveis

Geral
(55) 99905-9011
Aluguel
(55) 99704-0034